10 dicas práticas em Fotografia de arquitetura

Esse post foi originalmente tirado do site Depositphotos, escrito por Maria Sibirtseva


Fotografia de arquitetura pode ser desafiadora. Você pode se deparar com multidões que não podem ser removidas na pós-produção, ficar louco por causa de distorções ou porque o clima não estava favorável. Entretanto, você pode enxergar essas questões por outra perspectiva e elevar a sua fotografia com algumas dica.

Busque uma boa luz

Na fotografia, luz é o elemento mais importante. Não somente torna a fotografia tecnicamente possível, mas também determina a atmosfera e mood. Fotografar em estúdio, você pode utilizar a luz que precisa a qualquer hora do dia. Mas em fotografia de arquitetura, você precisa lidar com iluminação natural, então, tente buscar pelas melhores horas ou melhores condições metereológicas.

Geralmente, a “hora dourada” ou golden hour é o melhor período para fotografia. Durante a primeira hora depois do sol nascer e a última hora antes dele se pôr, a luz fica mais difusa e suave. Nesse horário, você pode capturar fotografias mágicas com longas sombras se estirando pela rua. Você pode experimentar também com a luz vindo do fundo e com reflexos na lente.

Ainda sobre luz, existe também a “blue hour”, que é o momento logo antes do sol nascer ou logo depois do sol se pôr, quando a iluminação solar está indireta e o céu fica azul escuro misturado com rosa, amarelo ou laranja dependendo do dias e das nuvens.

Entretanto, não se esqueça do tripé para imagens mais nítidas.

Perspectivas e ângulos únicos

Busque sempre ângulos e perspectivas não convencionais, especialmente se você está fotografando prédios famosos. Talvez eles já tenham sido fotografados por milhões de turistas e centenas de fotógrafos profissionais. Se você incluir imagens típicas no seu portfolio ou instagram, há chances de você não ser notado.

Inclua pessoas

Embora multidões de turistas pode ser chato e distrair o olhar do motivo principal da foto, arquitetura com algum contexto pode trabalhar a seu favor. A não ser que você acorde às 5 horas da manhã para fotografar na “golden hour” as fotos sem pessoas podem parecer não naturais, terraços sem estudantes almoçando, ou até centros comerciais sem pessoas apressadas para chegar no trabalho.

Na próxima vez que ficar irritado com pessoas entrando na sua foto, pense que eles estão somente deixando suas fotos de arquitetura mais autênticas e “trendy”. E ainda, estão te ajudando a mostrar a escala do prédio.

Aproveite todas as condições climáticas

Se você procura fazer imagens perfeitas, a previsão do tempo deve ser sua melhor amiga, embora, fotografias polidas – em termos de iluminação, composição e edição – não saltam mais os olhos de ninguém.

Para criar imagens únicas e fazer diferença com a sua fotografia, você pode tirar fotos durante várias estações do ano e diferentes condições meteorológicas. Por exemplo, você pode tentar fotografar na chuva, de uma garoa a uma tempestade. Além de capturar a estrutura básica da arquitetura, você pode pegar texturas de nuvens e gotas para deixar seu trabalho mais dramático.

Adicione linhas e formas nas suas composições

Uma das mais importantes dicas de fotografia de arquitetura é buscar linhas e formas nas suas composições. Por que? Pelo fato deles influenciarem a resposta de quem vê, tanto quanto as cores fazem.

Fotografias de arquitetura com linhas simétricas e formas pode fazer as pessoas apreciá-las mais, especialmente se eles tem algo parecido com TOC. Para descobrir como evocar outras emoções com fotografia de arquitetura, você precisa se familiarizar com princípios básicos do desgin e a psicologia das formas.

Resumindo, retângulos e quadrados simbolizam estabilidade e fazem as pessoas se sentirem seguras, do jeito que elas são acostumadas a ver essas formas todos os dias. Círculos e outros formatos redondos faz a audiência sentir prazer e simboliza o universo e a eternidade. Triângulos, são associados com movimento e simbolizam risco e entusiasmo. Todo esse conhecimento será útil se você quer desenvolver uma abordagem única na fotografia de arquitetura.

Não enlouqueça com as distorções

Em fotografia de arquitetura, distorção ocorre com frequência. Geralmente acontece quando você está fotografando prédios muito debaixo ou de cima, conforme a distância que está fotografando seja diferente de diferentes partes do objeto fotografado. Existe até um nome para isso: o efeito keystone.

Fotógrafos profissionais sabem que às vezes o efeito é inevitável, então você não deve enlouquecer quando perceber. A maioria dos fotógrafos corrige essa distorção durante a edição

Pesquise antes de fotografar um prédio

Se você está fotografando uma atração turística ou outro prédio que tenha uma história, junte algumas informações sobre. Talvez você descubra algum fato interessante e inesperado que vai aguçar sua imaginação e te ajudar a fazer uma foto não convencional.

Por exemplo, o Big Ben está em reformas e as autoridades dizem que o trabalho vai ser concluído em cinco anos. Então, se você planejar uma viagem para Londres, gaste algumas horas lendo e estudando o que mudou e os porquês. Essas informações podem te ajudar a escolher algum ângulo.

Explore os interiores

A maioria das pessoas querem fotografar o prédio da rua, mas esse tipo de foto inclui os dois tipos, externas e internas. Ter a ideia de representar a aparência de um objeto por dentro, fotógrafos de arquitetura de interiores encaram muitos desafios. Entre eles está a necessidade de nivelar propriamente a câmera, traduzir linhas verticais e diversas formas, não deixar a lente muito aberta para não haver distorção e montar a iluminação correta.

Entretanto, fotografar interiores não é somente uma forma de fazer dinheiro mas também uma oportunidade de diversificar seu portfólio de fotografia. Além disso, incluir pessoas nas imagens internas talvez ajude você a fazer fotos autênticas e também contar uma história.

Busque o minimalismo

Uma abordagem minimalista tende a focar na essencia do objeto e foca primeiramente na sua forma. Se você aceitar o desafiso e encontrar um prédio, ponte ou um quarto vazio, você entenderá o verdadeiro significado de “menos é mais”.

Se você quer seguir esse caminho, tente pensar fora da caixa. Deixe mais espaço em branco ou em negativo nas fotos, busque por linhas e formas para que as imagens fiquem esteticamente prazerosas e atraentes.

Refine sua imagem na pós-produção

Com a tendência de fotografias autênticas, a quantidade de tempo que fotógrafos gastam na pós-produção tem diminuído. Imperfeições naturais, mudanças temporais, texturas reais são coisas que a audiência aprecia muito mais nos dias de hoje.

Entretanto, isso não significa que as suas imagens não devem passar por nenhuma edição. Devido ao fato de câmeras não “traduzirem” toda a beleza e detalhes que nossos olhos enxergam, leves melhores só beneficiaram suas imagens. Você pode ajustar o contraste e brilho, recortar a imagem para melhorar a composição ou ajustar a saturação se precisar. Esses pequenos ajustes deixarão suas fotos mais atraentes e também representarão melhor o objeto fotografado.

Se você levar em consideração algumas das dicas e conselhos contidos nesta lista, você pode ter melhores ideias do que focar nas fotografias de arquitetura. Você também fará suas imagens se destacarem mais dos milhões de visuais postados em redes sociais tanto por amadores quanto por profissionais. Se você tem alguma outra dica de fotografia de arquitetura, compartilhe nos comentários abaixo.

Fonte com o artigo original: https://blog.depositphotos.com/architectural-photography.html

Como Publicar Seu Projeto No Archdaily?

Quer aprender como publicar seu projeto na maior plataforma digital de arquitetura? Siga esse passo a passo

Hoje temos, mais do que nunca, claro na nossa mente que para ser notado é preciso ser visto, e como arquiteto ou designer de interiores não há melhor plataforma para divulgar o nome do seu escritório como o Archdaily.

Você já imaginou aquela obra que você recém terminou parando na primeira página do Archdaily Brasil? Quão bom seria para a imagem do seu escritório? Nesse passo a passo vou te mostrar como você pode publicar seu trabalho na maior rede de projetos de arquitetura do mundo.

Por que publicar seu projeto?

A realidade é que se não cuidamos dos nossos projetos executados, corremos o risco de não tirar o melhor proveito daquilo que ele pode nos trazer. 

Digo isso porque se você executou alguma obra e não a documentou devidamente, você está deixando para trás uma prova viva de que seu escritório é confiável e profissional.

Imagine que essas plataformas são as revistas dessa geração. Nelas, os melhores profissionais expõem seus trabalhos, é onde você é notado e seu projeto ganha relevância nacional ou até internacional.

Itens necessários para submissão

Para submeter seu projeto você irá precisar de alguns itens solicitados pela plataforma. Aqui está a lista completa:

Nome do projeto e Nome do escritório

Desenhos (em JPG)

A plataforma recomenda o envio dos seguintes desenhos: 1 planta por pavimento, 2 cortes, 2 elevações, 1 axonométrica e 1 detalhe construtivo. Ainda indicam, se possível, que sejam enviados diagramas ou outro material que ajude na compreensão do projeto.

Como a plataforma precisa manter um visual agradável de leitura e um padrão estético do site, eles sugerem a retirada de informações extras e cores em excesso. Ficou na dúvida se seu projeto está com informações ou cores demais? Procure outros projetos no site e faça uma simples comparação.

Veja na íntegra o que eles escreveram sobre quais desenhos são esperados:

“Esperamos desenhos, plantas, vistas, colagens, diagramas, entre outras formas de representação, que integrem a visão dos arquitetos autores entregando conteúdo técnico em forma acessível e legível, utilizando novas tecnologias com o objetivo de informar de forma precisa as principais características de cada projeto.”

Fotografias profissionais

fotografia-interiores-ferzeli
Projeto: Studio Colnaghi | Fotografia: Vinícius Ferzeli

Todos os projetos executados e publicados possuem fotografias para ilustrar. É uma exigência completamente compreensível, visto que a fotografia é o melhor jeito de retratar uma obra terminada.

Eles sugerem 15 imagens no formato JPG com no mínimo 2880px de largura e em RGB. São necessárias as fotos de interiores e exteriores (exceto para projetos de design de interiores).

As imagens precisam dar uma ideia completa de todo o projeto, do programa de necessidades e da sua plástica.

Outras sugestões da plataforma:

  • Fotografia de arquitetura profissional feita com equipamento especializado;
  • Evite elementos que possam desviar o foco da arquitetura (muitas pessoas, veículos, etc.);
  • Certifique-se de que todas as fotos tenham uma correção paralela;
  • Evite áreas superexpostas / subexpostas e ações de pós-produção excessivas que possam fazer a imagem parecer irreal.

Como se pode ver, há um certo grau de exigência por parte do site quanto às fotografias que irão publicar, é por isso que sugiro duas coisas:

  1. inserir no cronograma de cada obra sua, daqui pra frente, a sessão de fotografia profissional. Isso garante fotografar sua obra da maneira que a executou e não ter surpresas depois;
  2. Separar uma verba exclusiva para isso, dependendo da escala do seu projeto pode variar de mil a cinco mil reais. Tudo vai depender do fotógrafo, da localização, do número de ambientes, da escala, das limitações de horário, etc. 

Veja esse trecho retirado do ArchdailyBR dando dicas de como publicar seus projetos:

“Buscamos fotografias que mostrem, basicamente, a obra em aspectos gerais, primeiro com enquadramentos amplos que dêem conta das relações da construção com o contexto e, então, as relações entre os diferentes espaços internos. Em seguida, quanto aos aspectos particulares, enquadramentos aproximados que destaquem detalhes, acabamentos e materiais. Deve-se considerar correções de perspectiva e cor caso seja necessário. Finalmente, buscamos fotografias que reflitam cada obra, superando estilos e modas.”

Texto

Na parte escrita, você precisará preencher alguns formulários com os dados gerais de projeto, como nome, localização, ano de conclusão, área bruta construída, entre outros itens. Há um formulário padrão que eles disponibilizam para você utilizar como base.

A descrição do projeto é considerada pelo site como o “catalisador do pensamento”. Veja essas dicas que eles escreveram sobre o memorial das obras:

“Buscamos publicar memoriais de projetos com textos claros e objetivos que permitam conhecer aspectos fundamentais de cada projeto de forma coerente, capazes de comunicar o essencial ao leitor e envolvê-lo com informações que permitam que ele participe com opiniões sobre a obra.”

Além dessa parte textual, você precisará preencher duas planilhas em Excel: uma com uma lista dos fabricantes dos projetos e dos materiais utilizados e outra com a lista de softwares utilizados nas etapas de projeto, mas não se preocupe: eles também disponibilizam o arquivo base para isso, basta preencher.

Outras mídias

Eles ainda disponibilizam uma outra pasta para “outras mídias”, para arquivos que não se encaixam nem em desenhos, fotos ou texto. GIFs podem entrar nessa categoria, e se você tiver vídeos do seu projeto, poderá incluir os links nessa pasta.

Como submeter (passo a passo)

Pronto! Agora que você tem todo o material, basta enviar da maneira correta. 

  1. Você precisará fazer o download da pasta padrão do Archdaily, disponível no final desse artigo. É uma pasta que segue a estrutura correta e organização padrão de arquivos.
  2. É preciso renomear a pasta “Nome do Projeto _ Nome do Escritório” com os seus dados.
  3. Você irá adicionar todos os arquivos separados nas pastas de Desenhos, de Fotografias, e alterar o nome das pastas de fotografias para o nome do(s) fotógrafo(s), como indicado.
  4. Na pasta “outras mídias” você irá inserir links para vídeos, se houver, hospedados no Youtube ou no Vimeo. Além disso, podem ser adicionados GIFs do seu projeto com algum diagrama, ou sequência de fotos.
  5. Na pasta Texto existem dois arquivos:
    1. O primeiro, chamado “AD FORM”, é o arquivo que você preencherá com aquelas informações gerais (nome do projeto, do escritório, seu site, seu email de contato e informações referentes ao projeto). Também há espaço para colocar os créditos das fotografias, créditos adicionais e um espaço para uma descrição do projeto (de 200 a 500 palavras). Eles indicam que a tradução dessa descrição em espanhol e inglês aumenta as chances do projeto ser publicado nos outros sites Archdaily.
    2. Na mesma pasta, você verá um arquivo de Excel, o “Manufacturers list”. É um item importante e obrigatório. Nessa parte você incluirá os nomes e códigos dos produtos utilizados no projeto e a marca ou fabricante. Além disso, nesse mesmo arquivo você deve inserir os nomes e as marcas dos softwares utilizados desde a concepção até as fases finais do projeto. Ex: Revit / Autodesk.
  6. Depois de preencher tudo e adicionar todos os arquivos necessários, você deve colocar essa pasta inteira na nuvem. Eles aceitam links do Dropbox e do Google Drive. Caso você já tenha uma conta Gmail, automaticamente você já possui uma conta no Google Drive.

Tutorial Google Drive:

Para subir a pasta para o você deve entrar nesse endereço: https://drive.google.com/drive/u/0/my-drive. Em seguida, no canto superior esquerdo, você verá um botão “+NOVO”, clicando nele você verá a opção “UPLOAD DE PASTA”.

Dicas extras

Links? Artigos do archdaily falando sobre apresentação?

Fontes:

Quem sou eu

Caso você não me conheça, me chamo Vinícius Ferzeli, sou designer há 6 anos, arquiteto há 2 e fotógrafo de arquitetura. Recém chegado em Porto Alegre, estou na missão de ajudar arquitetos e designers gaúchos a apresentarem da melhor forma os seus projetos.

E como eu faço isso? Fotografando todos os tipos de obras executadas, desde pequenos ambientes até grandes empreendimentos como hotéis e prédios públicos.

Como sou novo na região, estou oferecendo uma condição especial para os escritórios que queiram fotografar seus projetos. Quer saber mais? Me mande um Whatsapp no (67)99289-5999 e me pergunte como.

Post 2

teste

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin

teste

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin

Título Post 1

Título Post 1

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin

Título Post 1



Share on facebook



Share on google



Share on twitter



Share on linkedin